Marcelo Rebelo Sousa apela à união no PSD para “dar a volta” num ano dificil para todos

jantar psdReconhecendo que os momentos actuais são difíceis e que é preciso “ter coragem notável” para se ser autarca, Marcelo Rebelo Sousa apelou, sexta-feira à noite, para que todos têm de “estar unidos” no PSD para “dar a volta”.

O ex-líder do PSD participou num jantar de homenagem a ex-autarcas e dirigentes do partido promovido pela Concelhia de Pombal e que assinalou, também, o arranque do ano autárquico. Apesar de ainda não ser conhecido o candidato do partido à autarquia local, as referências foi para Narciso Mota que está a cumprir o seu último mandato, por imposição legal.

Depois de considerar Pombal como uma “ilha” ou um “paraíso”, o conhecido comentador político referiu que naquele concelho “o PSD tem tido o sucesso que tem tido porque nunca deixou de acreditar”. Contudo, apesar de a “obra que está feita vale por si e garanta todas as vitórias futuras”, Rebelo Sousa dirigiu-se aos cerca de 350 social-democratas presentes para que “não facilitem.” “Lutem por mais maiorias claras e folgadas” como “lutem também por mais obras”, apelou, desejando que “quem fez obra, e muito bem, continue na Assembleia Municipal a apoiar quem vier fazer obra”.

O orador apelou, ainda, para que estejam “todos unidos” tendo referido que “há tempo e lugar para todos.” Contudo, alertou que o PSD é um partido de serviço que pensa nos outros. “Temos de ter obrigação de pensar sempre nos outros” pelo que “devemos todos os dias fazer um exame de consciência”, disse, referindo que “os lugares e os penachos é secundário.” “Pode ser necessário que alguém tenha que ir para um lugar e fazer uma tarefa de serviço” mas “o importante é que esses lugares são sempre transitórios e precários”, frisou.

Antes, Narciso Mota enalteceu a importância das autarquias, nomeadamente as freguesias. “Hoje importa valorizar cada vez mais a difícil função de sermos autarca”, disse o presidente da Câmara, sublinhando a “transparência, rigor, espírito de sacrifício, tolerância, humildade e lealdade” que caracteriza os autarcas do concelho.

O edil aproveitou, ainda, para afirmar que os mesmos autarcas não se deixam “intimidar” nem com reformas nem com os governos que as assinam. “Impõe-se não ignorar o papel das freguesias na comunidade e no desenvolvimento local” disse Narciso Mota adiantando que as mesmas “pugnam pela sua afirmação enquanto unidades nucleares do sistema autárquico.”

Aquela iniciativa da Associação dos Amigos da Social Democracia e da Concelhia do PSD de Pombal foi a primeira de outras que irá realizar para prestar homenagem a ex-autarcas e militantes que “fazem a história” do partido.

Pedro Pimpão, líder concelhio dos social-democratas, aproveitou, ainda, para anunciar o lançamento de uma plataforma electrónica e de um conselho consultivo, com vista à recolha de contributos de todos os cidadãos para o próximo programa autárquico. Assim como a realização de um ciclo de conferências temáticas.

Para além de ex-presidentes de junta de freguesia, dos quais alguns a título póstumo, o partido prestou homenagem aos seus fundadores, ex-dirigentes e antigos deputados da Assembleia da República, como é o caso de Ercília Ribeiro da Silva, Rodrigues Marques e Maria Ofélia Moleiro (ausente no jantar).

Tribunal Constitucional “não pode passar a vida a ser bombeiro voluntário da classe política portuguesa”

Para o conselheiro de Estado Marcelo Rebelo Sousa, o Tribunal Constitucional “não pode passar a vida a ser uma espécie de bombeiro voluntário da classe política portuguesa” prevendo que o mesmo seja chamado a clarificar a Lei da Limitação de Mandatos.

O conhecido comentador político referiu, à margem do jantar de homenagens a ex-autarcas do PSD de Pombal, que “os políticos em Portugal descobriram agora uma coisa única” que passa por “um passa culpas.” “Na dúvida, quando eles não se entendem sobre constitucionalidade, o Tribunal Constitucional que decida”, acrescenta.

Recentemente o ministro Miguel Relvas, que tutela as autarquias, defendeu que cabe ao Parlamento esclarecer se a proibição de candidaturas dos autarcas em fim de mandatos se estende a outros municípios.

Um cenário que gera dúvidas a Marcelo Rebelo Sousa, até porque “estamos em corrida autárquica sendo já conhecidos candidatos”, portanto “seria uma lei com fotografia” sublinhando não gostar de “leis com fotografias que são para salvar ou condenar as pessoas”.

O ex-líder do PSD jantou ao lado de Fernando Costa, a cumprir o sétimo mandato nas Caldas da Rainha, que há dias defendeu que cabe ao Tribunal Constitucional decidir sobre a legitimidade da sua candidatura à autarquia de Loures.

Um cenário que Marcelo Rebelo Sousa prevê que venha a acontecer perante as várias impugnações que, provavelmente, irão ser apresentadas nos tribunais de comarca um pouco por todo o país. “Depois vai haver recursos o que levará o Tribunal Constitucional a homogeneizar” e “quanto mais depressa melhor”, frisou.

Orlando Cardoso | Diário de Leiria | Diário de Coimbra

Anúncios

Sobre factualidades
Noticias sobre temas e factos da actualidade

One Response to Marcelo Rebelo Sousa apela à união no PSD para “dar a volta” num ano dificil para todos

  1. Carlos Ribeiro da Silva says:

    Bom trabalho Sr. Orlando. Deu uma mensagem do que se passou.
    CRS

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: