Sindicato aceita renegociar Acordo de Empresa com bombeiros de Pombal que nega ser origem de problemas financeiros

BVPombalO Sindicato Nacional de Bombeiros Profissionais vai renegociar com a direcção da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Pombal (AHBVP) o Acordo de Empresa celebrado há cerca de dois anos, mas nega que o mesmo esteja na causa das dificuldades financeiras da instituição.

O pedido de renegociação daquele documento foi feito pela AHBVP alegando que o mesmo “implica um aumento das contrapartidas pecuniárias que, no contexto financeiro actual, é demasiado pesado”, pelo que “é necessário adequá-lo em termos de possibilidades financeiras, sob pena de se constranger o funcionamento da Corporação de Bombeiros a curto prazo”.

No entanto, o Sindicato considera que as dificuldades financeiras dos bombeiros de Pombal “em nada se relacionam com a aplicação do Acordo de Empresa”. “O que estará na génese das dificuldades financeiras da referida Associação Humanitária prende-se antes com os mesmos problemas que afectam outras instituições”, ou seja, “a diminuição da comparticipação do Ministério da Saúde em relação ao transporte não urgente de doentes e à consequente diminuição do número de serviços solicitados”, refere Fernando Curto.

Por outro lado, aquele dirigente refere que o Acordo de Empresa “tem sido um instrumento fundamental na salvaguarda de direitos e deveres da entidade empregadora e dos trabalhadores da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Pombal, não podendo, por isso, ser encarado como estando na origem dos problemas económicos da instituição”.

“Tem sido antes, um documento com carácter fundamental para assegurar os postos de trabalho dos funcionários da instituição, mediante o cenário de crise que o país atravessa”, afirma Fernando Curto, sublinhando que “tanto assim é, que o Sindicato, tendo por base o Acordo de Empresa, em conjunto com a Autoridade para as Condições de Trabalho e a própria Associação têm encontrado formas consensuais que permitem a associação ultrapassar todas as questões relacionadas com a sua quebra de serviços e consequente quebra de receitas”.

Para Rodrigues Marques, presidente da AHBVP, as alterações propostas ao sindicato “visam encontrar um documento mais equilibrado, em especial no campo financeiro, sendo certo que a poupança que estas propostas representam assegura a manutenção de todos os postos de trabalho”, cerca de quatro dezenas. “Mais importante é que os complementos continuem a ser pagos, mas num montante que entendemos mais ajustado com a realidade”, frisa.

O dirigente refere que as propostas de alteração passam, essencialmente, pela “revisão para montantes mais comportáveis dos valores adicionais à retribuição normal pagos a título de trabalho nocturno, de subsídio de risco, trabalho suplementar e isenção de horário de trabalho”.

Anúncios

Sobre factualidades
Noticias sobre temas e factos da actualidade

One Response to Sindicato aceita renegociar Acordo de Empresa com bombeiros de Pombal que nega ser origem de problemas financeiros

  1. Jorge Simões says:

    Já sei que me vão dizer que os tempos são outros….que tudo mudou…(Muitas coisas para pior..digo eu)…que é o progresso etc. e tal..etc. e tal mas,saber os BOMBEIROS VOLUNTÀRIOS DE POMBALa dar contas a sindicatos profissionais é que nunca me passou pela cabeça.Aqueles que durante anos dedicaram a sua vida…o seu esforço…as horas do seu trabalho profissional e as horas que deviam dedicar á familia..em prol da causa do Voluntariado,devem sentir-se orgulhosos de terem dado tudo sem pedir nada.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: