Escola Nacional de Bombeiros aposta na descentralização da formação

posse ENBO secretário de Estado da Administração Interna, Filipe Lobo d´Ávila revelou hoje que a Escola Nacional de Bombeiros (ENB) vai apostar na descentralização da formação para melhorar a qualidade de ensino e reduzir custos.

“Não se justifica ter que deslocar 30, 40 ou 50 bombeiros para fazer formação quando há condições em muitos quartéis com boas salas. É importante fazer com que os formadores se possam deslocar a essas corporações de bombeiros e que a formação seja feita onde eles estão”, afirmou.

De acordo com o secretário de Estado, esta medida de descentralização prevista na remodelação da Escola Nacional de Bombeiros permitirá contenção de custos e irá melhorar a formação dada aos bombeiros.

Filipe Lobo d´Ávila falava aos jornalistas no final da cerimónia de tomada de posse dos novos corpos sociais da Escola Nacional de Bombeiros, que decorreu em Sintra.

Para o governante, a ENB deve “abrir portas ao exterior”, assegurando formação na área da proteção civil, por exemplo, a empresas, de forma a arrecadar mais receitas e a contornar assim as dificuldades que tem ao nível do financiamento.

Quanto à auditoria da Inspeção Geral da Administração Interna às contas da Escola de Bombeiros, Filipe Lobo d´Ávila explicou que por se tratar de uma “auditoria complexa” a vários mandatos ainda não há uma data prevista para a sua conclusão.

José Ferreira tomou hoje posse como presidente da Escola Nacional de Bombeiros e afirmou que a descentralização da formação será um dos objetivos para o triénio 2013-2015.

“O que puder ser feito nos quartéis, será. O que puder ser feito nas Unidades Locais de Formação, será. E será [feito] nas instalações da escola o que só aí possa ser feito. A verdadeira aprendizagem será nos quartéis e nessas unidades, numa lógica de perfeita descentralização”, disse.

De acordo com José Ferreira, a escola vai desenvolver novos conteúdos e matérias pedagógicos e recorrer às novas tecnologias de comunicação e ensino à distância nesta estratégia de descentralização.

A nova direcção vai elaborar ainda um Plano Estratégico para a formação de bombeiros, que deverá estar concluído dentro de seis meses, de forma a ser implementado já em 2014.

O novo presidente da ENB, José Ferreira, ex-presidente da Câmara Municipal de Porto de Mós e até agora vogal do conselho executivo da Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP), terá como vogais da sua direcção: Susana Silva, a anterior Directora Nacional de Bombeiros e Vítor Reis, até ao momento adjunto administrativo e logístico da Força Especial de Bombeiros (FEB).

A assembleia-geral é agora presidida por Álvaro Guerreiro, antigo dirigente da LBP e actual presidente da assembleia-geral dos Bombeiros Voluntários da Guarda, e tem como vogais: Abel Ramos (ANPC) e José Campos, comandante dos Bombeiros Voluntários da Lixa e membro do conselho consultivo da LBP.

O Conselho Fiscal é presidido por José Pereira (ANPC), Joaquim Póvoas, dos Bombeiros Voluntário dos Carvalhos e membro do Conselho Fiscal da LBP, e Teodósio Carrilho, presidente da Federação de Bombeiros do Algarve e membro do conselho executivo da LBP.

Anúncios

Sobre factualidades
Noticias sobre temas e factos da actualidade

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: